Um Dia de Praia

O Programa Um Dia de Praia oferece 2 bilhetes por idoso que podem ser utilizados de 1 de julho a 31 de outubro. Estes bilhetes serão distribuídos de 1 a 31 de julho no Posto de Turismo. A distribuição dos bilhetes será efetuada mediante a apresentação do cartão municipal sénior.

Freguesia de Fafe preocupada com Passes

A Freguesia de Fafe está preocupada com o valor dos Passes dos autocarros que os fafenses estão a pagar. Para o presidente Paulo Soares: “Na última Assembleia da Freguesia de Fafe estivemos a discutir este problema dos passes dos autocarros e passo a descrever os pontos que nos preocupam a todos, Junta e Assembleia: – O actual Governo da República implementou o Passe Único para transportes públicos o qual entrou em vigor a 1 de Abril de 2019, com um valor máximo a rondar os 40€ por pessoa ou o máximo de 80€ por família; – A adesão à partida das áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto, ao qual se juntaram mais tarde outras áreas que entre si acordaram fazer vigorar o Passe Único; – Outras áreas não aderiram ainda e que tal pode traduzir-se em áreas mais ou menos desenvolvidas, criando desigualdades entre os portugueses; – Um fafense, por motivo de trabalho ou de estudo, possa ter a necessidade de se deslocar para fora do seu concelho e que por exemplo um passe mensal Fafe-» Guimarães custa 62,50€, um passe Fafe -» Braga custa 124,55€ e um passe Fafe -» Porto custa 131,00€, valores muito acima do Passe Único referido; – Há conhecimento que existem fafenses que estudam e trabalham fora do nosso concelho e que não sendo aplicado o Passe Único cria desigualdades face a outros portugueses, residentes em concelhos ou zonas metropolitanas onde houve acordos. Com isto vamos tentar perceber junto as entidades competentes e responsáveis se poderemos de alguma forma alterar esta situação, por uma questão de igualdade e justiça social.”

10 de Junho

O Rancho Folclórico de Fafe realizou mais uma Feira Tradicional de 10 de Junho, no feriado nacional, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

A iniciativa voltou a centrar-se na Praça 25 de Abril, que foi ocupada por feirantes dos mais diversos ramos, com exposição e venda de produtos agrícolas, louças de barro, fumeiro, doces tradicionais, entre outros.

O objetivo foi uma vez mais fazer os visitantes recuar no tempo, com a recriação da feira à moda antiga, num apelo à memória da vida no campo e ao mundo rural.

Dia Mundial do Ambiente

O Dia Mundial do Ambiente é celebrado todos os anos a 5 de junho. É um evento anual que tem como objetivo alertar as populações e os governos para a necessidade de proteção e preservação do ambiente.

O dia 5 de junho foi escolhido para festejar a data, pois marca o dia em que teve início a 1.a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, que se realizou em 1972, em Estocolmo, na Suécia.

O evento foi um marco e sua Declaração Final contém 19 princípios que assentam na necessidade de “inspirar e guiar os povos do mundo para a preservação e a melhoria do ambiente humano”, estabelecendo assim as bases para a nova agenda ambiental das Nações Unidas.

“Chegamos a um ponto na História em que devemos moldar as nossas ações em todo o mundo, com maior atenção para as consequências ambientais. Através da ignorância ou da indiferença podemos causar danos maciços e irreversíveis ao meio ambiente, do qual a nossa vida e bem-estar dependem. Por outro lado, através do maior conhecimento e de ações mais sábias, podemos conquistar uma vida melhor para nós e para a posteridade, com um meio ambiente em sintonia com as necessidades e esperanças humanas…”

“Defender e melhorar o meio ambiente para as atuais e futuras gerações tornou-se uma meta fundamental para a humanidade.”
Trechos da Declaração da Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente (Estocolmo, 1972)

Todos os anos, as Nações Unidas apresentam um tema, que serve de ponto de partida para o desenvolvimento de várias ações de celebração do Dia Mundial do Ambiente.

Os eventos visam apresentar novas formas e métodos de preservar o futuro da Humanidade, seja através de ações individuais do cidadão ou coletivas.

Este ano, o tema escolhido é o Comércio Ilegal de Animais Selvagens e visa alertar as populações para a importância de preservar as espécies animais, uma vez que todos os animais selvagens têm o seu papel na Natureza e o seu desaparecimento pode provocar graves desequilíbrios ambientais. Por outro lado, a preservação do seu habitat é condição fundamental para a sua sobrevivência, pelo que todos devemos minimizar o impacte das nossas ações no ambiente natural.

As crianças e o ambiente

Fechar a torneira enquanto se lavam os dentes, não deitar lixo no chão, cuidar dos animais, das plantas e jardins são atitudes simples e presentes na rotina de muitas famílias. As crianças observam atentamente cada ação promovida pelos adultos e absorvem muito mais informações através da visão do que por qualquer outro sentido. E esse é o primeiro passo para se começar a consciencialização das crianças no que diz respeito à preservação do meio ambiente.

Quanto mais cedo o tema for abordado com as crianças, maiores são as possibilidades de lhes despertar a consciência pela preservação. Por isso, a educação ambiental deve começar na pré-escola. Crianças sensíveis a estes temas acabam por influenciar os comportamentos de toda a família.

Sensibilizar as crianças para a preservação do meio ambiente requer técnicas e atividades que despertem a curiosidade, a criatividade e interação, levando a uma aprendizagem divertida e descontraída.

Filmes e desenhos que mostram personagens a protegerem as florestas e os animais podem incitar esta mesma ação nas crianças. Dinâmicas e atividades que requerem a união das crianças para encontrar soluções para problemas ambientais — como limpar praias ou separar o lixo — ou mesmo jogos individuais que estimulem a atenção neste sentido são muito úteis no processo de sensibilizar as crianças para a necessidade de preservação do meio ambiente.

Visitar lugares que protejam a vida selvagem, como parques nacionais, reservas ecológicas ou jardins zoológicos, pode contribuir para aumentar a consciência para a necessidade de conservar animais e lugares selvagens. Deve ser explicado às crianças que criar animais em cativeiro, em vias de extinção, pode ser importante em locais onde não é possível evitar que o habitat seja destruído. Esses animais criados em cativeiro podem depois ser libertados na Natureza, se for encontrado um local adequado para eles.

Outra atividade muito acessível às famílias e escolas é promover o conceito dos 3 R:

  • reduzir: incentivar a redução da compra e uso de produtos e serviços que não são extremamente necessários;
  • reutilizar: estimular a reutilização de materiais que já foram usados, como garrafas de plástico para guardar lápis, caixotes de madeira para guardar brinquedos ou o verso das folhas como rascunho;
  • reciclar: separar e armazenar corretamente todos os resíduos produzidos, para assim promover a sua reciclagem, criando e utilizando ecopontos na sala de aula.

O desenvolvimento da temática ambiental junto das crianças em idade pré-escolar trará, no presente e futuro, inúmeros benefícios não só para as próprias crianças mas também para os pais, a comunidade em geral e todo o planeta.

Pintora Fina Rosa obrigado!

A Junta de Freguesia de Fafe apresenta as mais sentidas condolências aos familiares e amigos da Pintora Fafense Fina Rosa agradecendo a dedicação de toda a sua vida às artes plásticas.
Relembramos que no seu percurso e no início, fazendo jus ao nome de baptismo, pintou sobretudo rosas que considera “a mais bela flor”. Depois pintou sempre o que lhe apeteceu, ziguezagueando por várias técnicas e os mais diversos cenários, nunca se cingindo a um estilo em concreto.
Dizia: “Pinto tudo o que vejo e que me desperte interesse. Eu sonhava de noite com o que havia de por na tela e de madrugada acordava e ia pintar.”