Festas, Feiras e Romarias

Feriado Municipal


16 de Maio

 

 

 

Feira Semanal


É realizada todas as quartas-feiras na renovada Praça das Comunidades.

 

 

Feiras Francas


A origem das actuais feiras remonta ao séc. XVII (por provisão de D. João V – 1689/1750), embora os primeiros dados com pormenor surjam na primeira metade do século XVIII, na monografia do Padre João de Sousa Homem.

A Feira Franca que se realiza em Maio é ainda hoje um apreciado cartaz turístico, que anualmente se repete, com dois números obrigatórios e incontornáveis – o concurso pecuário e a corrida de cavalos – que trazem à cidade milhares de espectadores, de todo o Minho.

Tudo isto, à mistura com exibições pirotécnicas, grupos folclóricos, concertinas e bandas de música, ilustram a feira, caracterizada pela sua grande vitalidade. Mantendo características que perduram ao longo dos últimos decénios, as feiras francas vão-se adaptando aos novos tempos, sobrevivendo como espaço necessário e cíclico de realização social.

 

 

Festas de Nossa Senhora de Antime


A romaria em honra de Nossa Senhora de Antime, também designada da Misericórdia ou do Sol, assume-se como a maior e a mais conhecida das festividades locais, coincidindo, actualmente, com as grandes festas concelhias de Fafe.

A primeira referência a esta festividade surge no ano de 1736 e alguns estudiosos relacionam-na com um antigo culto solar ou ritual de fecundidade. Realizada sempre no segundo fim-de-semana de Julho, apresenta um programa diversificado que abraça música, folclore, marcha luminosa, guardando um momento especial para a majestosa procissão.

Junta de Freguesia de Fafe

 

 

Elevação de Fafe a Cidade


Em 23 de Agosto de 1986, a Vila de Fafe foi elevada à categoria de cidade. Nesse dia foi publicada no Diário da República a Lei n.º 28/86 que elevava à categoria de cidades as vilas de Fafe, Seia, Albufeira, Mangualde e Maia. Mas a aprovação da iniciativa legislativa aconteceu no dia 3 de Julho. 

Na altura, foi grande o júbilo da maioria da população e ajustados os festejos respectivos, se bem que houvesse sempre alguém a fazer ouvir a sua voz no sentido de que era preferível uma grande vila a uma pequena cidade. 

Feira do 10 de Junho


Realiza-se no dia 10 de Junho, feriado nacional, dia de Portugal, de Camões e das comunidades portuguesas, a feira tradicional, com recuo ao século XIX, em pleno coração da cidade, outrora local privilegiado desta feira, os produtos da terra, o fumeiro, a doçaria tradicional, o artesanato, a loiça de barro, o gado e os animais domésticos são as principais atrações. Trajados a rigor, os feirantes dão um colorido especial à Praça 25 de Abril, sempre com o pregão na ponta da língua a convidar à compra.

Junta de Freguesia de Fafe

 

Festa de Santo Ovídio


Aí por 1878, apareceu, no sopé do monte de castro, uma das famosas estátuas galaicas. “Falta-lhes a cabeça, que por uma cavidade quadrangular, aberta entre os ombros, se vê ter sido uma pela separada do tronco. Falta-lhes também a base, em que estas figuras do tronco como que sumiam as pernas até ao joelho” (Martins Sarmento, Dispersos, 36).

Com esta estátua se guardam, no Museu da Sociedade Martins Sarmento, algumas moedas bem como peças de cerâmica, lá encontradas. Mais recentemente foram descobertas algumas construções, retangulares, umas, circulares, outras, e algumas outras moedas.

Quer isto dizer que, quando, no inicio do séc. I da nossa era “as legiões d’Augusto penetraram na região, encontraram-na na posse d’uma raça brava e aguerrida, de origem celta, segundo uns, litúrgica, segundo outros, que vivia acantonada no seu castro.

Muito naturalmente aí se adorava, no cimo do monte, alguns ou alguns dos deuses dos pagãos. E por substituir o deus pagão por um Santo, Santo Ovídio, neste nosso caso, não sem deixarem de substituir algumas das tradições anteriores.

Diz-se de Santo Ovídio que era de origem romana, erudito, de família ilustre e integérrimo de costumes. E que, por ordem do Papa S. Clemente (87-97) que reconhecera o zelo e o testemunho de vida. Veio governar a Igreja Bracarense: 3.ª Arcebispo. Teria sido assim um dos principais apóstolos do seu tempo, acabando por dar a vida em testemunho de fé. O seu corpo ter-se-ia conservado em altar próprio e durante séculos na Sé de Braga, e que D. Rodrigo de Moura Teles e transferiu, em 1708, para lugar desconhecido.

A fama dos seus milagres não esmorecer e os fieis continuam a invocá-lo nas suas aflições, mor-mente dos ouvidos.

A atual capela data de 1860. Todos os anos, no terceiro domingo de agosto se realiza a festa estatuária em Sua honra, que reúne peregrinos das terras de Fafe e também de Guimarães.

Junta de Freguesia de Fafe
Junta de Freguesia de Fafe

 

 

Festas de São João

Na zona da Fábrica do Ferro, é habitualmente festejado o São João, em data próxima do dia deste Santo ou mesmo coincidente – 24 de junho, numa organização dos moradores desta zona com um cariz muito bairrista da Cidade e também pela coletividade local – Leões de Ferro. É uma bonita festa com marchas populares, a cascata, os “comes e bebes”, o arraial, muita música e outras animações, que levam centenas de Fafenses a juntarem-se às festividades.

 

 

Festas de São Pedro

Na zona da Granja, é habitualmente homenageado o São Pedro, em data próxima do dia deste Santo ou mesmo coincidente – 29 de junho, numa organização dos moradores desta zona com um cariz muito bairrista da Cidade e também pela coletividade local – Restauradores da Granja.  São “ingredientes” desta festa o típico arraial, com a sardinha assada, frango, bifanas, caldo verde e bom néctar da região, acompanhados pela música de baile, a famosa cascata que embeleza o espaço central do Bairro da Granja, a procissão e a missa.