Notícias

DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS

SESSÃO DE ESCLARECIMENTOS
DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS
MANUTENÇÃO DAS FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL

A obrigatoriedade de manutenção das faixas de gestão de combustíveis constitui uma das medidas preventivas previstas no Decreto Lei nº 124/2006, de 28 de junho com redação atual, com o objetivo de reduzir o número de incêndios rurais.
A prática mais comum da gestão de combustíveis consiste na limpeza dos terrenos, através do corte e remoção da biomassa vegetal neles existentes. Uma correta e oportuna gestão de combustíveis constitui um elemento essencial para a minimização do risco de incêndio.

A prevenção aos incêndios rurais deve ser praticada de forma atempada e inteligente.
A Guarda Nacional Republicana (GNR) tem vindo a exercer um enorme esforço na realização de ações de sensibilização junto da população, com o intuito de promover e fomentar boas práticas agrícolas e acima de tudo transmitir uma mensagem de dever cívico na prevenção generalizada aos incêndios rurais, partindo da premissa que a floresta é de todos e que a todos cabe preservar e proteger.
Na sequência das ações realizadas pela GNR, constatou-se que muitos terrenos continuam a carecer de limpeza, de forma a salvaguardar a manutenção das faixas de gestão de combustíveis e assim contribuir para a redução do elevado número de incêndios rurais.

O Comando Territorial da GNR de Braga irá realizar uma sessão de esclarecimentos na freguesia de Fafe, no dia 1 de março, pelas 19:30, na Sede da Freguesia, sita na Praça Mártires do Fascismo, n.º 26.

A falta de manutenção das faixas de gestão de combustíveis (limpeza dos terrenos) constitui infração do foro contraordenacional e os seus responsáveis incorrem em coimas de 280 € a 10.000€, no caso de pessoa singular, e de 1.600 € a 120.000€, para pessoas coletivas.

Prémio para a melhor interpretação do Hino de Fafe

A Junta de Freguesia de Fafe irá nas próximas semanas realizar um concurso para aquele(s) que cantar(em) melhor o Hino de Fafe. Aprovado na reunião do Executivo e na sexta-feira passada, em Assembleia de Freguesia – votos a favor do FS e PSD e contra do PS. A Junta de Freguesia de Fafe, pretende com isto desafiar todos os Fafenses que queiram participar neste concurso que em breve será lançado a demonstrarem as suas qualidades musicais e vocais. O Hino, escrito por Euclides de Sotto Mayor, com música de José Maciel, apesar de muitos Fafenses não o conhecerem é novamente colocado na praça pública e este foi precisamente a grande ambição da Junta de Fafe.

Para o Presidente Paulo Soares: “A Junta irá realizar um concurso para aqueles que cantarem melhor o nosso Hino, sendo o mesmo feito através do facebook, com o hashtag #hinodefafe e aquilo eu aconselho é para que todos se vão preparando, em casa, no trabalho, nas associações, no café, no futebol, no futsal, no andebol, nas danças, no teatro, nas ruas, nas escolas… todos estão convidados a participar e é importante participarem para promovermos de forma simples esta nossa tradição e a nossa cultura. É algo que todos devemos saber de cor e pretendemos que dentro em breve todos andemos a canta-lo em todos os eventos fafenses. O concurso irá ser muito simples. A Junta irá colocar a data do inicio e do fim e durante essa fase, os melhores três que obtiverem no facebook mais likes, passarão à final e desses três vence o que mais likes obtiver. Haverão prémios para os três primeiros e iremos promover o vencedor sempre que hajam acontecimentos na nossa Cidade, porque se procurarmos o Hino de Fafe, fizermos uma busca, iremos encontrar uma versão antiga do Coral do Grupo Nun´Álvares e queremos inovar e espalhar esta nossa música. Junta de Freguesia de Fafe -sempre ao dispor doa fafenses.”

Consulte o Regulamento neste Sítio.

Prémios para Alunos de Mérito Escolar

A Junta de Freguesia de Fafe volta a premiar os melhores alunos Fafenses, desde o 1º ciclo, ao ensino universitário, desde o ensino profissional ao ensino especial. Depois de aprovado em reunião do Executivo, foi na sexta-feira, dia 16 de fevereiro, aprovado com a maioria em Assembleia de Freguesia – FS, PSD e Filipe Ferreira do PS votaram a favor e os outros três membros do PS abstiveram-se. A Junta de Fafe, com o objetivo de premiar, através de um troféu a ser entregue a cada aluno de mérito, no Dia da Cidade de Fafe – 23 de Agosto, tem o objetivo de estimular o interesse dos alunos e reconhecer a importância que é ser bom aluno e parabenizar os que melhor desempenho obtiveram em cada ano escolar, desde a 1ª classe ao ensino universitário.

Para o Presidente da Junta de Freguesia Paulo Soares: “Desde o inicio deste mandato que este assunto foi discutido nas reuniões e todos concordamos na importância que é ser bom aluno e nós, na Junta através do reconhecimento que iremos fazer, desempenhamos esse papel de entidade reconhecedora de valores. Assim, no final do ano iremos abordar as Escolas do Concelho no sentido de nos transmitirem quem são os melhores alunos de cada ano, residentes em Fafe e que frequentam o ensino normal, especial e profissional e até os alunos das Universidades, estes através de uma candidatura com a Junta de Freguesia. É importante para nós voltarmos a galardoar os melhores alunos e no dia 23 de Agosto, dia da Cidade de Fafe, cá estaremos a premiá-los. Até lá, bons estudos e que haja o máximo empenho de todos. A Junta de Freguesia de Fafe estará sempre ao dispor.”

Consulte o Regulamento neste sítio.

Uso inteligente dos eletrodomésticos pode cortar gastos com eletricidade

Sabia que com um uso inteligente e eficiente dos eletrodomésticos pode poupar uma considerável quantidade de dinheiro na fatura energética e cortar gastos com electricidade?

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) recomenda que desligue os equipamentos sempre que preveja ausências de utilização superiores a 30 minutos

Relativamente aos aparelhos electrodomésticos, desligue-os no interruptor em vez de os deixar em «stand by».

Se possível, ligue alguns equipamentos como televisão, vídeo, DVD ou equipamentos de som, a uma base de ligação múltipla com interruptor. Assim, ao desligar esse interruptor vai apagar todos os equipamentos e poupar mais de 40 euros por ano.

A ERSE recomenda também que o equipamento de ar condicionado esteja sempre a uma temperatura de 22 a 24ºC.

  • Como poupar 30% de energia elétrica com o frigorífico

Quando falamos dos eletrodomésticos, as poupanças também podem ser significativas. Experimente usar, sempre que possível, os electrodomésticos com etiquetagem de energia da classe A+ ou A++.

Aqui, vai também ganhar se o frigorífico for colocado num lugar fresco e ventilado e longe de possíveis fontes de calor (fogão, forno e radiação solar). Ajuste o termóstato de forma a manter uma temperatura de 5º no compartimento de refrigeração e de menos 18º no compartimento de congelação.

Descongele antes que a capa de gelo alcance os 3 milímetros (mm) de espessura e vai conseguir poupanças de energia de cerca de 30%. Pode ainda limpar uma vez por ano a parte traseira do equipamento. Abra a porta o menos possível, além de fechá-la assim que possível.

Em relação à máquina de lavar e/ou secar a roupa, procure adquirir equipamentos bitérmicos (puxadas de água independentes: uma para a água fria e outra para a água quente), que utilizam a água pré-aquecida por outras fontes mais eficientes (esquentador ou caldeira a gás).

Procure trabalhar sempre com a carga máxima e use os programas de baixa temperatura (exceto quando a roupa está muito suja). Centrifugar gasta ainda muito menos energia para secar a roupa do que utilizar a opção de secagem.

Já com a máquina de lavar a loiça, deve selecionar o tamanho do equipamento em função das suas necessidades e procure trabalhar sempre com a carga máxima. Também manter sempre cheios os depósitos de sal e abrilhantador vão permitir-lhe gastar menos dinheiro porque reduzem o consumo de energia na lavagem e secagem.

  • Como poupar 20% de energia elétrica com o forno

Com o forno, abra-o só se necessário porque, cada vez que o faz, está a ter uma perda energética de pelo menos 20%. Procure aproveitar ao máximo a capacidade do forno e cozinhe, se possível, de uma só vez o maior número de alimentos. Ao contrário do que pode pensar, não é necessário aquecer previamente o forno para cozinhados superiores a 1 hora. Apague o forno um pouco antes de finalizar a confeção uma vez que o calor residual será suficiente para acabar o processo.

Sobre os pequenos eletrodomésticos (ferro de passar, torradeira, aspirador), há maneiras eficientes de os utilizar. Por exemplo, não os deixar ligados se vai interromper a tarefa e aproveitar o calor residual do ferro para passar alguma quantidade de roupa.

Quanto ao esquentador, em caso de ausências prolongadas, desligue-o. Para além de poupar gás, evita a acumulação de resíduos da combustão e reduz a emissão de gases com efeito de estufa.

Um outro ponto importante é verificar a sua fatura de eletricidade: analise se a potência contratada é adequada ao consumo real da instalação ou se poderá reduzi-la. Sites como o da própria ERSE, DECO ou da EDP permitem fazê-lo.

Por fim, confirme se os seus consumos privilegiam horários que beneficiariam da tarifa bi-horária, em que a energia é mais barata nas horas de vazio (à noite e aos fins de semana) e opte por esta, em caso afirmativo.

Quer construir um anexo?

Quem não sabe o que é um anexo a uma casa?
É uma extensão à casa propriamente dita, erguida após a conclusão da obra principal.No entanto, os termos técnicos são mais precisos., considerando um anexo como uma obra de criação de caráter acessórios, que não possua autonomia económica, esteja separada da habitação principal, servindo de apoio a esta. Estas obras podem ou não ser implementadas em zonas com operação de loteamento, plano de pormenor ou em zona de proteção de imóveis classificados ou servidão administrativa.
Preciso de licença camarária para construir um anexo?
A resposta a esta questão não é direta pois a lei prevê dois tipos de situações para a construção de anexos: – uma situação simplificada, em que apenas precisa de uma comunicação prévia à câmara, e uma segunda hipótese um pouco mais exigente. Estão sujeitas apenas a um requerimento de comunicação prévia os anexos que NÃO venham a ser construídos em zonas com operação de loteamento, plano de pormenor, ou em zona de proteção de imóveis classificados/com servidão administrativa. Estas obras designam-se por construção sem condicionamentos. A construção com condicionamentos é aquela que irá ser executada nas zonas com operação de loteamento, plano de pormenor, ou em zona de proteção de imóveis classificados/com servidão administrativa. Pode ainda incluir obras a executar após um pedido de informação prévia com parecer favorável, emitido nos termos do nº 2 do artigo 14ª do Regime Jurídico de Urbanização e Edificação. Neste caso, embora a lei estabeleça estas obras como sendo de escassa relevância urbanística pode haver dois caminhos distintos: – se o seu anexo tiver uma altura não superior a 2,2m ou área igual a 10m2 e não confinar com a via pública também só vai precisar de requerimento de comunicação prévia, – se pretende um anexo com medidas superiores às referidas no ponto anterior vai precisar de uma autorização de utilização, da emissão de alvará, da certidão e da comunicação prévia de obra de edificação. Isto significa em termos leigos que vai precisar de um projeto de arquitetura aprovado pela Câmara Municipal.
Há outros impedimentos, para além da necessidade de licenciamento?
Embora a necessidade de licenciamento já inclua a maior parte das restrições à construção de um anexo ainda pode haver outros factores que podem inviabilizar ou dificultar o projeto: – a geografia do terreno, a proximidade de outras habitações, condutas de gaz água e eletricidade, linhas de água entre outros. E se a edificação prévia já preencher a totalidade do índice da parcela onde está construída provavelmente já não vai poder construir mais nada.No caso das restrições impostas por zonas de interesse histórico, ou para proteção de imóveis classificados, um parecer favorável à construção pode acarretar regras restritas acerca da sua forma, função e materiais a utilizar. Por exemplo uma casa numa zona histórica de uma cidade onde as casas são todas de granito vai implicar manter a estética e o material de construção aparente no anexo.
Quanto custa o projeto e o licenciamento?
Obviamente este valor vai estar diretamente ligado às taxas impostas pela entidade camarária da sua região e ao gabinete de arquitetura escolhido. Normalmente um valor entre 500 e 1000 Euros será suficiente para cobrir as despesas de um projeto simples e respetivo licenciamento. Claro que a complexidade do projeto vai fazer disparar os preços e este valor não entra de modo algum com as despesas de construção ou instalação.
Que estilo escolher para o meu anexo?

Se o seu projeto não está sujeito a condicionamentos da zona ou da construção envolvente, as suas escolhas são muitas e não estão limitadas. E por isso a escolha vai depender do seu gosto, do seu orçamento e do estilo que o seu arquiteto lhe propuser! Atualmente é muito comum acrescentar anexos em casas recuperadas, tornando a visão de um anexo ultra moderno casado na perfeição com uma casa tradicional ou rústica numa visão menos rara. No estilo moderno pode optar por anexos em alvenaria tradicional, metal ou mesmo um espetacular anexo de madeira, como o da primeira imagem que lhe mostramos.  Nesta imagem pode ver uma casa de construção moderna e inspiração nórdica a que foi acrescentada uma extensão anexa com uma geometria vanguardista, servindo de alpendre e cozinha de apoio.

Mas se não gosta da ideia de estragar a estética original da casa pode optar por uma solução de continuidade, usando no anexo os mesmos materiais e acabamentos da construção primária. Assim vai conseguir um anexo que parecerá uma parte integrante da casa, sobretudo se esta também sofre algumas obras de recuperação no processo, para maior homogeneização estilística. Veja o exemplo desta casa em Inglaterra: – o pequeno anexo, com dimensões reduzidas que provavelmente nem sequer exigiriam um projeto arquitetónico, foi construído no mesmo estilo, com os mesmos materiais e até com a mesma caixilharia da construção original, criando uma sala extra que se liga sem rodeios ao interior desta.
Que funcionalidades posso incluir num anexo?
As funcionalidades a instalar dependem exclusivamente das suas necessidades, pois é para a sua satisfação que o anexo foi construído!
Mas se lhe sobrar algum espaço após esse objetivo primordial e não sabe o que fazer nós damos umas dicas:  – o anexo moderno que construiu para a garagem deixou um espacinho vago? Use-o como oficina! Uma bancada de trabalho e todas as suas ferramentas é só o que precisa para se dedicar aos seus passatempos preferidos. Os trabalhos manuais não são do seu agrado? Peça ao seu carpinteiro que lhe faça um armário à medida e use esse espaço como arrumação extra. – o anexo é para ser a sala de estar? Prolongue o telhado, instale paredes de vidro e faça um alpendre para todas as estações do ano, e uma sala com contacto estreito com o exterior. – o anexo destina-se ao seu escritório? Não se esqueça de o dotar com alguns sofás no exterior para poder relaxar entre os trabalhos ou procurar informação.  – sempre quis ter um ginásio, mas tem todos os compartimentos ocupados? Um pequenino anexo, sem necessidade de licenciamento é de certeza tudo o que precisa para se exercitar em paz!E opções alternativas?Por último falamos das escolhas alternativas para fazer um anexo à sua casa! Além dos anexos de madeira ou outros módulos pré-fabricados, hoje em dia pode encontrar no mercado alternativas baratas e rápidas para conseguir esse tão desejado espaço extra… Um anexo pré-fabricado, feito à medida a partir de perfilados tubulares e cobertos com painéis de madeira pode ser a solução mais barata, mas uma pérgula em aço e vidro, também pré-fabricada, pode dar um ar muito mais refinado e moderno à sua casa.Uma casinha de madeira pré-fabricada, anexada a uma casa de granito faz um conjunto harmonioso e muito moderno, fazendo contrastar dois materiais tão distintos, mas tão intemporais. Ou então, se não gosta de monotonia, escolha uma opção como esta da imagem, um módulo móvel que pode anexar à sua casa e mudar de lugar sempre que lhe apetecer ou as condições da família o ditarem! Se está a considerar um anexo pré-fabricado, de maiores ou menores dimensões, deve informar-se bem na câmara sobre o seu licenciamento.